Por que o Spotify usa o Scrum para Evolução Contínua

Por anos a humanidade esperou pelo aplicativo que finalmente iria colocar a indústria da música no bolso. Algumas opções surgiram de maneira bem forte, mas nenhuma delas parece ser tão assertiva quanto a Spotify, que tem cerca de 20 milhões de clientes (sendo cinco milhões de pagantes) para ouvir diversas músicas todos os dias.

A equipe interna da startup, que conta um pouco do dia a dia da empresa no blog Spotify Labs, precisa lidar com todas as necessidades básicas de uma startup e, em seu caso específico, cuidar para que um bilhão de listas de reprodução criadas pelos usuários estejam disponíveis a qualquer tempo.

Para que o objetivo seja concluído com sucesso, a Spotify se utiliza de metodologia ágil, como o Scrum, e dos conceitos de Lean Startup para fazer a roda girar. Seus processos de melhoria são contínuos e baseados nos valores de transparência, informalidade e propósito, com times organizados e cheios de autonomia.

Afinal, é exatamente isso que se espera de um time ágil: que cada pedaço da engrenagem tenha capacidade de se desenvolver em busca de um propósito comum a todas as partes da empresa.

Como implantar Scrum em startups e empresas escaláveis

Para fazer como o Spotify e ter a metodologia ágil como norteadora dos processos, é preciso contar com comunicação e integração entre áreas, além de treinamento dos times quanto à mudança gradativa da cultura da empresa.

O Scrum vem para que as práticas sejam escaláveis e organizadas, onde um time só começa o trabalho a partir do ponto que o outro entrega, dentro de uma linha de tempo pré-definida. O principal objetivo é que tudo seja entregue no prazo mas que, para isso, não seja necessário correr contra o tempo.

Na Spotify, a implementação da metodologia ágil se deu através da equipe Squad, que é focada em desenvolvimento. A Squad – ou Esquadra, em português – visa ser uma mini-startup dentro da startup maior, se auto-organizando e decidindo por conta própria os processos internos a serem seguidos.

A também ajuda a organizar as outras equipes de acordo com seu papel dentro da empresa: desenvolvimento de software, design, marketing, vendas, suporte, etc. Cada uma dessas equipes abraça, dentro da metodologia Scrum, suas responsabilidades e o prazo para fazer cada tarefa.

Assim, cada equipe tem uma funcionalidade e responde por ela. Quando algo atrasa, ou qualquer outro gargalo é identificado, fica mais fácil entender onde está o problema e resolvê-lo quando a metodologia ágil é aplicada.

Scrum + Lean Startup

Na Spotify as equipes também usam os princípios de Lean Startup, ou Startup enxuta, para entregar resultados. O mote principal é construir um MVP, produto mínimo viável, e validar o aprendizado com testes e métricas para saber o que funciona ou não, tão logo as ideias vão surgindo.

Essa é uma forma de entender perfeitamente se você está fazendo exatamente o que o cliente quer – ou o que ele precisa – antes de gastar investimento em dinheiro e tempo de equipe em algo que pode não dar em nada.

É normal, por exemplo, termos uma ideia e colocarmos todo mundo para trabalhar nela sem saber, de fato, se ela vai vingar. Com o conceito de Lean Startup você testa a ideia em seus primeiros estágios para ter essa resposta.

O MVP é justamente isso: não precisa florear um design, não precisa bater cabeça acerca de uma funcionalidade. Lance um produto mínimo viável e veja como o público responde a essas necessidades.

Na Spotify, a junção do Scrum com a Startup Enxuta gerou o lema “pense, construa, entregue e ajuste”. Essa é uma maneira perfeita de entregar valor, produtos incríveis e projetos inovadores dentro do prazo.

A X-Apps utiliza da mesma metodologia do Spotify para alguns de seus clientes e pode te auxiliar na busca pela melhoria contínua, organização de equipes e processos e, claro, entregas mais valiosas a seu público consumidor.

Deixe uma resposta

Fechar Menu
Close Panel